OFF THE WALL - O Verdadeiro Lar dos Fãs de Michael Jackson!
Não esta conseguindo vizualizar todos os topico? Se cadastre, é bem rapido e venha fazer parte da FAMILIA OFF THE WALL!

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Dom Abr 15, 2012 1:28 pm



MAS, POR QUE ESSA PERDA É TÃO PESSOAL?


"Toda vida tem uma medida de tristeza, e às vezes é isso que nos desperta."-Steven Tyler, do Aerosmith.

A questão muitas vezes colocada é: "Porque essa sensação é tão pessoal?" A freqüência dessa pergunta está numerada às centenas e as histórias são, anonimamente, compartilhadas. Para milhares, sim, esta jornada tem sido primorosamente crua e pessoal.

Para muitos, tornou-os intrépidos viajantes empurrados para a frente em uma viagem para o reino da espiritualidade, o fulcro que foi a passagem de Michael. Muitos têm dito: "Eu não sabia que eu não estava acordado."

"A dor nos torna crianças novamente, destrói todas as diferenças de intelecto. O mais sábio não sabe nada. "-Ralph Waldo Emerson

Talvez essa fosse a parte do plano de Michael e por que ele teve que sair demasiado cedo. Ele disse muitas vezes que as crianças tinham a resposta e eram a resposta para os problemas do mundo. Amargamente ridicularizado por causa de sua afeição por Peter Pan e da história de um menino que não queria crescer, talvez ele estivesse realmente em algo que nós somente aprenderíamos o significado mais tarde:
"Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus."-Matt. 18:03

"Em verdade eu vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança pequena, não entrará nele."-Marcos 10:15

Michael disse que das crianças ele reconhecia e valorizava a sua inocência e "estar com elas nos conecta a profunda sabedoria da vida." Possivelmente ele estava falando da espontaneidade das crianças. Eu acho que a Disneylândia é a prova de quanto a criança ainda vive em todos nós e Las Vegas é um exemplo de uma Disneylândia para adultos - Um parque infantil para adultos, onde podemos, com permissão, agir muito parecido com as crianças.

Ambos, lugares mágicos, eles são únicos em sua própria maneira. Assim são as montanhas, os oceanos e a floresta. Assim são a Esfinge e as pirâmides no planalto de Gizé. Essas são todas as coisas que Michael amou e incentivou a amar.
No entanto, inocência perdida é um rito de passagem da infância que, ao que parece, todos devemos atravessar. Por que isso?
I Coríntios:
11: Quando eu era criança, falava como criança, compreendia como criança, pensava como criança, mas quando, tornei-me um homem, acabei com as coisas de menino.
12: Porque agora vemos como por espelho, em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei igualmente, como também sou conhecido.
13: E agora, a fé permanece, esperança, caridade, estas três, mas o maior destes é a caridade.
O que significa "acabar com as coisas de menino.”? E por que é esse um rito de passagem? Essa é necessariamente, uma coisa boa? O que significa perder a inocência?
A inocência é um estado de boca aberta, maravilha sem palavras. É para ser enamorado com tudo isso. É para observar com o queixo apoiado na mão durante horas, a trajetória de um erro imerso em sua indústria em uma manhã de junho brilhante com o calor do sol em suas costas. É para ficar na beira do Grand Canyon e sentir-se pequeno em comparação com o que você imagina naquele momento. É para deitar-se sobre a rocha que se projeta a partir da falésia e sentir a sua frieza em suas costas e o calor do sol em sua barriga e reconhecer seu nascimento no mesmo fogo milenar. É para olhar pela janela de uma aeronave a 30.000 pés e saber que se você estivesse em Nepal, este é o quão alto é - o cume do Monte Everest.

É ver a brilho da lua resplandecendo sobre as águas negras da baía, quanto as estrelas iniciam sua sinfonia e capturar a sugestão dessa melodia dentro de si. É dançar no escuro, no ofuscar das luzes, por si mesmo com abandono, a noite sua única parceira de dança. É escalar uma árvore e fazer desejos e escrever canções imortais dos sonhos que, magicamente, aparecem nos ramos. Está a faixa do primeiro single, lágrimas como cascatas escorrem pelo rosto diante as outras.
Inocência é Papai Noel, Coelho Brier, os Muppets, Alice no País das Maravilhas, Senhor dos Anéis, Harry Potter, Crônicas de Nárnia, Piratas do Caribe, Rei Leão, Peter Pan, Star Wars e ...

É antes de se esquecer de imaginar que você pode ser qualquer coisa que você quer ser. Antes de você perceber que um tesouro enterrado é fantasia, que o desejo não significa que vai se tornar realidade e que para obter o que deseja, você deve usar a estratégia. Você deve ser um mini-Maquiavel. Há algo desonesto sobre o mundo adulto que não é encontrado no mundo da criança e de sua inocência infantil. Há algo de livre, espontâneo e bonito sobre o espírito humano nesse estado virginal.
E parece que depois que esse limiar é atravessado, nunca mais há manifestação sua, nem mesmo reanimada e então é recordada longamente na memória. Talvez seja tão doloroso que devemos esquecê-lo completamente, a fim de sobreviver à sua perda.
Portanto, ao longo vem este que uma vez amado, uma vez uma criança, uma vez uma criança amada, que agora é um artista, adulto "diferente" que parece ser capaz de agarrar a sua inocência e que mantém lembrando-nos que uma vez houve tal coisa e que necessitamos para poder tentar obtê-la de volta. Ele expressa isso, ele demonstra isso, ele canta isso. Ele reúne crianças em volta dele e fala de sua inocência, de seu brilho. Ele nos cutuca por dentro e desperta a lembrança de uma velha ferida. Como ele se atreve? O que ele quer de nós? De que ele estava lembrando-nos?
"Enquanto a inocência se desvanece afastada, coisas mais complicadas tomam seu lugar. Achamos que precisamos superar os outros e esquematizamos para conseguir o que queremos. Começamos a gastar muita energia protegendo a nós mesmos. Então a vida se transforma um esforço. As pessoas não têm escolha a não serem espertas. De que outra forma poderiam sobreviver?

Quando você fica completamente abatido, ‘’sobrevivência significa ver as coisas como elas realmente são e responder. Significa estar aberto. E é isso que a inocência é. É ser simples e confiante como uma criança, não crítico e comprometido com um ponto de vista estreito. Se você está trancado em um padrão de pensamento e resposta, a sua criatividade fica bloqueada. Você perde o frescor e a magia do momento. Aprenda a ser inocente de novo, e esse frescor nunca desaparece."

As crianças lembram que são luz. Lembram que são amor. Elas sabem ser a própria sombra brilhante, sim: essa luz, esse amor. E nós as fazemos calar de mil maneiras, porque não podemos nos permitir que, mesmo por um momento de cintilação, revisitar um lugar que faz lembrar… toma nossa própria respiração e nos traz de joelhos, para deixar-nos viver esse momento outra vez.
“Onde há sofrimento há solo sagrado.” - Oscar Wilde
Eu gostaria que tivéssemos ouvido melhor. Michael não está mais aqui para nos lembrar. Hoje estamos em solo sagrado. Choramos hoje, eu acho que, tanto por nossa inocência perdida, e sua inocência perdida, quanto choramos por Michael.

Texto escrito por Rev. B. Kaufmann - 2010
http://www.innermichael.com/2010/06/but-why-is-this-loss-so-personal/
Tradução: Maíra / http://michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/search/label/Rev.%20Barbara%20%20Kaufmann

...................................

Ver perfil do usuário

2 Re: Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Dom Abr 15, 2012 1:28 pm



Michael Jackson em Julgamento Outra Vez
Parte I


Escrito por Rev. Barbara Kaufmann

No "julgamento do século", a acusação descansou, a defesa descansou, o júri pode descansar agora que estão dispensados. Quando é que Michael Jackson começará a descansar? Para a mídia isso não foi o julgamento de homicídio de Conrad Murray, foi "O Julgamento de Michael Jackson- morte". E grande parte do tempo, Michael Jackson, apesar de morto, esteve em julgamento.
Michael Jackson não foi tratado como um ser humano, mas como uma vaca de dinheiro. Sua morte não mudou isso. A exploração de Jackson foi legião. Por conhecidos, ajuda contratada, colegas, a indústria da música, o sistema de justiça, por famílias que procuram bolsos fundos, por puxa-sacos, bajuladores e, especialmente, pela mídia. Milhões foram feitos com a marca Jackson. O que o público não sabe, é como foi cínica e deliberada a exploração. O autor Joe Vogel, escreveu sobre o abuso cultural generalizado de Jackson em um artigo recente intitulado “Eu Sou A Besta Que você Visualizou?"
A última traição é um documentário de Conrad Murray, o mesmo doutor condenado por matar Jackson. Murray, acusado de homicídio culposo, fechou um acordo dois anos atrás com October Filmes para um documentário sobre o relacionamento dele com Jackson e seus últimos dias. Família e fãs estão perguntando como poderia a NBC, em sã consciência, produzir e transmitir um filme que explora Jackson, mais uma vez após a morte e pela própria pessoa responsável por essa morte? Murray fechou um contrato quando Jackson era colocado para dormir.
O documentário inclui cenas de "quartos particulares" na casa de Jackson, com clipes reconhecidos como fotos de Neverland Ranch tiradas em 2003, após os assistentes do xerife terem invadido e vasculhado-a. As mesmas fotos, originalmente usadas para induzir a opinião sobre os hábitos particulares de Jackson, fizeram seus caminhos no "documentário" de Murray, juntamente com alguns comentários artificiais projetados para denegrir Jackson, enquanto elevava Murray. Como é honesto um filme e suas intenções, quando habilmente editados para o impacto e as avaliações? Reminiscência do Living With Michael Jackson, (Vivendo com Michael Jackson)de Martin Bashir, transmitido pela MSNBC, outro filme habilmente editado, chamado de “documentário golpe de sucesso” que foi cinicamente produzido para avaliações e lucro, foi refutado posteriormente pela própria equipe de Jackson, que gravou as imagens simultaneamente com a equipe de Bashir. O documentário de Murray contornou o sistema de justiça, permitindo o testemunho que ele se recusou a dar no tribunal, apesar da busca frenética de uma família por respostas sobre o que aconteceu com um de seus entes queridos morto, Michael.
O julgamento de Conrad Murray, por homicídio involuntário, tornou-se "O Julgamento de Michael Jackson Morte”, porque a mídia há muito tempo aprendeu que ligar o nome de Jackson a qualquer coisa, aumenta os lucros. Pessoas promoveram cinicamente suas próprias infâmias, ainda vinculando-se a Jackson sabendo que estórias negativas sobre ele aumenta a atenção. Repórteres inventaram estórias e não ficaram de fora do jogo com fins lucrativos, a tendência atual mídia logo seguiu o exemplo. Um grande segmento da população ainda acredita na caricatura tabloide de Jackson e nas acusações das quais ele foi exonerado.
E eles erroneamente acreditam nos auto-proclamados "especialistas em Michael Jackson", que nunca sequer conheceram o homem e têm uma agenda e uma razão para perpetuar a caricatura mito, para evitar a exposição de suas traições do passado, usam um ser humano com fins lucrativos e para futuras carreiras. A propaganda sobre Jackson diz mais sobre o escritor do que sobre seu assunto. Nick Davies, na exposição Flat Earth News, afirma que o público ficaria enojado com a tática cínica da mídia e de como eles manipulam para que o á la jornalismo tablóide torne-se a tendência atual.
Fãs de Michael Jackson, que têm tentado alertar os consumidores durante anos sobre a agenda racista e exploração da mídia de Jackson, emitiram um comunicado esta semana: "Os fãs de Michael Jackson tiveram o bastante. Ridicularizem-nos, se você necessita, chamem-nos nomes, dizem-nos que apenas pensamos em Michael como um “ídolo”, mas não somos os que vendem sua memória, objetivando-o e fazendo dinheiro dele.” Eles convocaram um boicote à NBC e seus patrocinadores.
Murray pode ter administrado a dose fatal de veneno, mas o evenenamento da opinião pública sobre Jackson, pela mídia, foi implacável e prolongado. Será que a mídia torturou um homem até à morte por nada mais do que classificações e lucro? O homem mais famoso do mundo foi também o mais ameaçado. A campanha tabloidiana na exploração e linchamento de Jackson foi sem precedentes e durou décadas. Exploradores de Jackson vêm de todas as posições possíveis, desde faxineiras aos médicos e um rabino, guia espiritual, que publicou gravações de sessões privadas de Jackson, tudo para fazer um dinheirinho com a marca dele.
Os médicos ficaram ultrajados pelo tratamento irresponsável de Murray e sua violação às leis HIPAA e à confidencialidade do paciente. Eles acham inacreditável que um médico, agora criminoso condenado, contornasse a lei e testemunho em tribunal e tramasse um documentário para lucrar com o próprio homem que ele matou.
Os fãs, cientes de que a opinião pública sobre eles também tem sido manipulada, estão preocupados que o público continue a permitir que a imunda exploração da mídia contra figuras públicas e continuem enganados inconscientemente. Um fã escreveu:
"Nossas salas de estar não devem ser áreas de despejo de materiais imundos que tiram dos seres humanos não somente sua dignidade, mas sua própria humanidade. E os nossos no processo. Onde está o clamor público que diz “já chega”? As pessoas ficaram indignadas quando o escândalo de Rupert Murdoch, sobre telefones grampeados como primeira página das manchetes forradas de informações sensacionalistas infundadas; Onde estão eles agora? Transmitir esse documentário é vergonhoso.”
O jornalista britânico, Charles Thomson escreveu sobre a irresponsabilidade vergonhosa da mídia durante a cobertura do julgamento de Jackson em 2005, em uma composição literária chamada "O Episódio Mais Vergonhoso da História Jornalística".
Pode valer a pena ponderar por que um homem que parecia ter tudo, necessitava de tais medidas extremas para dormir. Por que ele precisava de medicação que não apenas o ajudasse a dormir, mas que o deixasse inconsciente a noite, para descansar? Como é que um vegetariano e purista que odiava as drogas passou a confiar nelas? Lembre-se, Jackson foi considerado inocente da acusação de exploração de crianças, mas a acusação iria manchar para sempre seu legado.
No entanto, o julgamento de Murray apresentou, nas palavras do próprio Jackson, seu sonho de construir um hospital infantil. Seu advogado, Thomas Mesereau, expressou preocupação sobre a imprudência de uma mídia tendenciosa, que capitaliza e exagera o drama para o lucro e avaliações, ele é acompanhado por outros advogados, como Matt Semino e Mark Geragos, que temem que o cultismo às celebridades e a manipulação da opinião pública pela mídia, venha prognosticar a justiça.
A autora Aphrodite Jones em Conspiracy: The Michael Jackson Story, Jermaine Jackson em You Are Not Alone: Michael Through a Brother's Eyes, e Joe Vogel com Man in the Music: The Creative Life and Work of Michael Jackson, assim com Armond White e outros, tentam firmar o registro honesto, contando a história verdadeira de Jackson com novos livros que contradiz o lixo das crônicas dos tabloides.
Mesmo hoje, poucas pessoas estão cientes de que em ambos os casos que acusam Jackson de prejudicar crianças, os mesmos jogadores aparecem: o promotor público apelidado de "Cachorro Louco", o mesmo advogado que recrutou e representou ambas as famílias de acusadores, o mesmo psiquiatra que relatou as acusações. Poucas pessoas percebem que esta gangue ainda socializam juntos. Tanto o FBI e os serviços sociais investigaram Jackson e não encontraram nenhum delito
Poucos compreendem o que realmente aconteceu a Jackson, porque a desumanização dele nos tabloides foi tão deliberada e a caricatura pintada completamente. Sua ruína causada pela opinião pública e pela mídia foi tão desanimador, a violação dos seus direitos civis pela aplicação da lei tão abrangente que deixou Jackson tão desanimado e desiludido que ele deixou sua pátria, o lugar onde um garotinho negro do interior da cidade, feito para Hollywood.
O último insulto veio do tabloide Sun, de Rupert Murdoch, que publicou a foto de Jackson morto na primeira página na Grã Bretanha, com o apelido racista "Jacko", cuja origem descreve macacos e pode ser um insulto usado para aqueles de ascendência africana. Dentro de horas após a publicação dessa foto no HLN, extremamente sádicos e cruéis bullies enviaram uma cópia aos filhos de Jackson com a mensagem "Do Papai, com amor."
A segunda geração de Jacksons, incluindo os filhos de Michael Jackson, foram elas próprias vítimas de bullying, suas vidas, relacionamentos e paternidade feito pastos para as fofocas dos tabloides, porque os repórteres aparentemente, rejeitam a filiação legítima ou técnicas de fertilização para as famílias sem filhos, e consideram a alternativa de paternidade e parentalidade, de alguma forma aberrante. Máscaras em público os impediram de serem reconhecidos em parques de diversões, mais tarde, quando acompanhados por guarda-costas que substituiram um pai incapaz de acompanhá-los em passeios recreativos sem causar um circo na mídia e problemas de segurança para a polícia. No entanto, a opinião pública ridicularizou Jackson por proteger seus filhos desse dano.
Há aqueles que parecem insistir que as figuras públicas e suas vidas pertencem ao público, em vez de a si mesmas, que esperam estar a par de toda e qualquer informação privada, que sentem que as celebridades não têm direito aos mesmos direitos civis dos quais todos os outros gozam. E há aqueles que fuxicam para essas compulsões, quer seja verdadeiro ou não, para avaliações e lucros, fazendo ilegalidades em telefones, e o jornalismo talão de cheques pagam grandes somas por estórias. Quanto mais devassa a estória, mais zeros nos cheques para as estórias que lincham e retalham pessoas reais em primeiras páginas – para o lucro.
Adultos se perguntam em voz alta, onde as crianças recebem as ideias que parecem tão cruéis e sem coração. Enamoradas pela celebridade, as crianças imitam os mais populares e estão conscientes dos valores apresentados pelos adultos ao redor deles. A nova geração apenas tem redescoberto Michael Jackson após seu falecimento. Você acha que eles ingenuamente perderam o espancamento de Michael pelos tabloides? Onde é que eles aprendem bullying? Eles estão assistindo a mídia e nos assistindo!

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/rev-barbara-kaufmann/michael-jackson-trial-media_b_1093132.html

Tradução Maíra /michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/search/label/Rev.%20Barbara%20%20Kaufmann

.........................

Ver perfil do usuário

3 Re: Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Dom Abr 15, 2012 1:28 pm



Michael Jackson em Julgamento Outra Vez
Parte II

Escrito por Rev. Barbara Kaufmann

O Julgamento de Conrad Murray por homicídio involuntário, tornou-se predição sobre Michael Jackson, em vez de seu médico, porque o uso de Propofol era incomum e o paciente era famoso. No tribunal, a exibição das garrafas de medicamentos foi um grande drama e a mídia aproveitou e correu para publicar "vício de Michael Jackson.

“Um olhar mais atento sobre as datas, o número de comprimidos prescritos, medidos em relação ao número tomados, o número deixado e o espaço de tempo em que as pílulas estiveram no quarto, não provam que Jackson era um viciado, mas que ele era, na realidade, não complacente aos medicamentos que lhe foram prescritos. Mas isso não é atraente; e tudo isso só é atraente ganhando telespectadores para um julgamento que estava previsto para ser “maior do que o julgamento de Anthony Casey." Só que não foi. Fadiga da histeria, talvez? Tivemos o bastante?

Especialistas em HLN pareciam impulsionar o rótulo "viciado", porque isso era adequado para suas agendas de promoção de livros e carreiras. "Michael Jackson" tem promovido muitos livros e carreiras, involuntariamente, enquanto as pessoas recrutam seu nome para suas próprias finalidades. O HLN não foi exceção. Um médico especialista em dependência saltitou igualmente sobre o "viciado" apesar das informações conflitantes entre o vício, rótulos de frascos e uso, apesar dos registros médicos entrarem em evidência por não estarem assinados e serem confusos. Registros questionáveis do médico foram autorizados no tribunal, mas o médico não foi capaz de explicar o tratamento de Jackson, com procedimentos faciais para reconstruir seu rosto. Jackson tinha Vitiligo e Lúpus Eritematoso Discóide. A mesma doença que deixou o selo no artista, e cicatrizes faciais. É totalmente justo que o rosto de Michael Jackson fosse tratado e esculpido, ele ganhava a vida no palco.

Esso mesmo médico também admitiu a hipótese de que o uso noturno de Propofol foi responsável pela má condição dos pulmões de Jackson que era bem conhecido por informações de que Michael Jackson tinha Deficiência Sintetase Triptofano, que é uma doença pulmonar caracterizada pela falta de proteína para lubrificação. Fãs de Michael Jackson poderiam ter esclarecido qualquer uma dessas cabeças falantes, mas na verdade nem verificaram os fãs. Se você quiser saber algo sobre um esporte ou uma figura da cultura pop, pergunte aos fãs que sabem tudo sobre eles.

Em equidade aos especialistas, a cobertura poderia ter sido muito pior e os fãs poderiam ter sido retratados em uma luz muito mais pobre ou mais escura. Infelizmente a orla de admiradores foram destacados e que incluía os teóricos da conspiração que acreditam que Jackson está vivo e escondido. E, na maior parte, os fãs se comportaram bem, exceto por uma briga ocasional.
Os mainstream fãs de Jackson que recebem menos atenção do que a orla falante, são articulados, pensativos, brilhantes; e interessados em justiça e vingança. Muitos são profissionais que contribuem para a sociedade, pagam seus impostos e criam filhos nos subúrbios e cidades. Eles têm uma história interessante para contar à sociedade, que ninguém nunca quer ouvir. O que eles têm a dizer é chocante.

O julgamento, ao que parece foi tudo sobre Michael Jackson, apesar dos namoricos de Murray serem bem conhecidos - sete filhos com seis mulheres, sua metodologia, mesmo em sua clínica, pareceram imprudentes para outros médicos e alguém arriscou: "A única coisa mais perigosa que Murray poderia ter feito era empurrar Jackson de um avião sem pára-quedas. “E que médico envia um estoque de medicamentos para uma residência privada? Qual o médico que usando uma droga perigosa não tem o equipamento de emergência adequado, necessário para a segurança e para a ressuscitação, quando ele é o único, caso aconteça algo com o paciente? Os medicamentos rotulados exigem isso como protocolo. Uma simples bomba reguladora que poderia ter salvado a vida de Jackson, regulando o fluxo de Propofol de acordo com o peso e as orientações de dosagem, teria custado 1.500 dólares de um salário mensal cem vezes maior. Murray era dono de uma clínica, se ele poderia requisitar Propofol em massa, ele poderia requisitar equipamentos médicos que teriam salvado a vida de Jackson.

Sim, era o julgamento de Michael Jackson porque mais uma vez, Jackson foi levado a julgamento, mesmo após a morte. E é irônico que a peça mais convincente de evidências não veio do Ministério Público ou da defesa, mas do próprio Michael Jackson.

Jackson, a quem uma enfermeira anestesista disse soar como se ele estivesse sob a influência do Propofol, sem câmeras filmando, nenhuma mídia no acompanhamento, foi claro sobre sua motivação, sua intenção e seus planos futuros, mesmo nesse estado sedado. Ele disse:

“Elvis não fez. Os Beatles não fizeram. Quando as pessoas deixarem meu show, eu quero que eles digam 'Eu nunca vi nada parecido em minha vida. Vá. Vá. Eu nunca vi nada parecido com issto. Vá.. é incrível. Ele é o maior artista do mundo.’ Estou tomando esse dinheiro...um milhão de crianças, um hospital infantil, o maior do mundo. Hospital Infantil de Michael Jackson. Vai ter uma sala de cinema, sala de jogos. As crianças estão deprimidas ...nos hospitais, não há salas de jogos, nenhum cinema. Eles estão doentes porque estão deprimidos, sua mente está deprimindo-os. Eu quero dar isso a eles. Eu me preocupo com os anjos. Deus quer que eu faça isso. Deus quer que eu faça isso. Eu vou fazê-lo, Conrad. Não têm esperança suficiente, não mais esperança. Essa é a próxima geração que vai salvar o nosso planeta começando com...bem falar sobre isso. Estados Unidos, Europa, Praga, meus bebês. Eles andam por aí sem mãe. Elas os abandonaram, elas se foram - uma degradação psicológica ...isso. Eles chegam a mim, por favor, leve-me com você. Eu quero fazer isso por eles. Vou fazer isso por eles. Isso será lembrado mais que minhas performances. Minhas performances estarão lá em cima ajudando minhas crianças e sempre será meu sonho. Eu as amo. Eu as amo, porque eu não tive uma infância. Eu não tinha infância. Eu sinto sua dor. Eu sinto sua ferida, eu posso tratar dele. 'Heal the World', 'We are the World’ , ‘Will You Be There?’ ‘The Lost Children’. Estas são as canções que escrevi porque me machuco, você sabe, me machuco.”

O hospital infantil ou um centro de cura era o sonho de Michael Jackson. E esta não é a primeira vez que o objetivo de tratamento médico e cura de crianças surgiu no legado de Michael Jackson. Quando a declaração atrapalhada de Jackson foi relatada pela primeira vez, Jane Velez Mitchell, da HLN declarou no ar, que esta gravação de Jackson prova o que os fãs de Michael Jackson têm dito o tempo todo - que Michael foi mal interpretado e descaracterizado e o rancho Neverland foi deturpado para o público. Ela chamou a conversação em defesa de Michael Jackson. Ela mencionou isso somente uma vez, e nesse mesmo dia, pessoas que fabricam dinheiro com “pedaço de sucesso” de biografias, castigaram-na no Twitter, e ela foi silenciada.

Conrad Murray não é a primeira nem a última pessoa a estar a par do sonho de Michael Jackson em relação as crianças. Em um artigo da jornalista italiana, Silvia Bizio, Anjelica Huston que contracenou com Jackson no filme Captain EO para a Disney, acidentalmente, encontrou com Michael Jackson, cerca de um mês antes dele morrer. Eles se abraçaram, agacharam-se juntos em uma sala e pegaram-se na vida um do outro.

Huston lembrou-se de Michael como sendo suave e frágil, com problemas para reunir a ira suficiente para realizar seu papel em Captain EO, espaçonave com uma tripulação que canta "Estamos aqui para mudar o mundo." Ela disse que era como se a raiva não existisse em seu DNA. Ele necessitava dela ali, no traje e desdenhando do destino para trazer para fora seu personagem vilão. Huston disse que ele parecia ainda mais frágil emocionalmente, especialmente, durante o seu breve encontro. Ela colocou os braços ao seu redor, ela diz:

"Conversamos sobre como ele se sentiu humilhado pela acusação de abuso sexual e sobre a tristeza pela perda de Neverland, onde viveu muitos anos, eu me lembro de suas palavras. “Eles arruinaram meu sonho, eu tive esse sonho, talvez infantil e tolo, um lugar concebido para celebrar a inocência da infância que eu nunca tive, e eles tomaram isso de mim. Eu amo crianças, eu nunca poderia fazer-lhes mal. Passei toda a minha vida amando-as e tentando fazer-lhes coisas boas. A calúnia de prejudicar uma criança, isso quebrou meu coração é uma dor insuportável, essas acusações são injustas e terríveis ...” Quando ele disse estas coisas, ele começou a chorar. Segurei-o em meus braços ... Ele era tão magro e frágil. "

Jackson disse-lhe que estava se preparando para os concertos em Londres. Ela recorda:

"Ele estava ensaiando duro porque ele não teria mais nenhuma esperança de ser amado novamente.” Ele queria ser permitido de volta ao coração do público após o linchamento público que sofreu por algo que ele não fez e que um júri igualmente concordou. Houston continua: “Ele era magro e pálido, eu podia sentir muita dor nele por esse passado e muita ansiedade e incerteza para o futuro. "

Quando perguntada por Bizio, "O que você acha que realmente matou Michael Jackson?" Anjelica Huston não hesitou: "Michael tinha o coração quebrado. Por isso, ele morreu. A verdade é que eles quebraram seu coração."

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/rev-barbara-kaufmann/michael-jackson-trial_b_1093193.html

Tradução Maíra /michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/search/label/Rev.%20Barbara%20%20Kaufmann
........

Ver perfil do usuário

4 Re: Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Dom Abr 15, 2012 1:29 pm



Michael Jackson em Julgamento Outra Vez
Parte III

Escrito por Rev. Barbara Kaufmann

Quando Michael Jackson, em um alterado estado de consciência, induzido por drogas, com a fala estigmatizada, falou sobre a construção de um hospital para crianças, não foi a primeira vez que Michael Jackson tinha falado sobre a construção de instalações médicas para crianças doentes. Ele equipou uma ala para queimados no Brotman Medical Center, em Culver City e construiu uma ala de 19 leitos no Mt. Sinai Hospital, em Nova York.

O artista David Nordahl, amigo de Michael Jackson há mais de 20 anos, e cujo trabalho foi encomendado para o Rancho Neverland, recentemente compartilhou algumas lembranças de Jackson:
"Essa conversa que eles jogaram no tribunal era tão Michael. Cuidar de crianças doentes é o que ele falava em todas as conversas que já tivemos. Ele cuidou de crianças doentes em todo o mundo. Ele pagou por um fígado para Bela Farcas; o custo era 125.000 dólares e quando eles descobriram que era para Lisa Marie Presley e Michael Jackson que decidiram dividir o custo, o preço saltou para um quarto de milhão. Bela teve seu fígado.”

“Eu não fiz apenas pinturas para Michael. Ele me pediu para fazer esboços para passeios que ele inventou em Neverland e os desenhos para condomínios que ele planejava construir para crianças gravemente doentes e suas famílias. Ele sabia que as crianças criticamente doentes curam-se melhor em um ambiente de esperança e pensamentos positivos, risos e magia. Sala escura e silenciosa favorece a depressão dos doentes, e a alegria não, de acordo com Michael, e a alegria cura. Seus condomínios tinham grandes janelas na frente e que era para imaginar olhar como casas de árvore na floresta.”



“Ele queria as janelas grandes, porque ele sabia que as crianças muito doentes, muitas vezes não conseguem dormir e acordam a noite com medo, então ele construiu um teatro ao ar livre para executar desenhos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para que, se as crianças acordassem, elas fossem capazes de ver os desenhos animados da janela. "

Nordahl falou sobre o amor mal interpretado de Michael pelas crianças. Como ele ficou durante esse tempo, quando ele foi acusado, eu queria saber.

"Michael sabia, eu mesmo sabia, sem nenhuma dúvida, que o seu destino pessoal era para curar crianças. Era sua vocação. Ele visitou orfanatos em todo o mundo, construiu alguns, construiu alas infantis em hospitais, enviou médicos para os Balkans e até mandou um 737 com suprimentos médicos para Sarajevo.”
“Michael amava crianças, ele viveu para as crianças. Elas eram a coisa mais importante em sua vida, na verdade, elas eram a sua razão de viver. Todos os trabalhos de Michael foram dedicados às crianças, para as crianças do mundo todo ou para a criança em todos nós. O Rancho Neverland foi dedicado às crianças e estava sempre em construção. Sua semelhança com Disneyland foi intencional. Michael olhou ajudar as crianças neste mundo como sua missão de vida. Ele viajou pelo mundo defendendo as crianças e contribuindo com uma grande fortuna pessoal para causas infantis. Era a sua vida e foi a sua razão de viver. Você pode imaginar como era para ele ser acusado de prejudicar crianças? "

A história contada é que Michael como fez amizade com uma família divorciada com um menino diagnosticado com câncer, trouxe-os para Neverland, porque as crianças curavam-se lá de todos os tipos de problemas e ferimentos, ele entrou em contato com o pai do menino, que acreditava-se ser criativo e um talento não reconhecido como dramaturgo. Devastado por uma doença mental e propenso as suas ilusões, o pai acreditava que ele iria tornar-se parceiro de Jackson em sua planejada companhia de produção, a Lost Boys Productions.

Jackson, com US$ 40 milhões em dinheiro para fundar sua companhia recorde, autorizou Nordahl a concepção de alguns logos para o projeto. Antes que a pintura secasse, o pai do menino percebeu que ele nunca seria parceiro de Jackson no empreendimento, e exigiu metade do dinheiro. Quando Jackson recusou-se, o resto tornou-se fácil: fazer uma acusação e cobrar 20 milhões de dólares destinados à produção cinematográfica, a paixão de Jackson e a próxima aventura.

Infelizmente Jackson nunca chegou a realizar seu sonho de fazer filmes. Sua reputação sofreu e alguns vão sempre pensar que ele era culpado de um crime quando seu único crime foi ser "diferente". Mas gênios geralmente são excluídos de seus pares e da cultura. E podemos imaginar, dado os tempos, que mais do que um pouco do que aconteceu com Michael Jackson eram motivações raciais.
Eu apontei a Nordahl que o plano para os condomínios em Neverland incluíam cascatas que produzem íons negativos, que são edificantes e fazem as pessoas se sentirem bem, ele tinha de conhecer sobre endorfinas.


"Claro que ele sabia, tinha música ambiente em Neverland para as flores porque ele sabia que encorajava-as a crescer", Nordahl respondeu: "Michael lia o tempo todo. Ele sabia muito sobre a cura. Sabia que alegria e prazer tinham um efeito sobre os hormônios e o humor. Queria que algumas da construções em Neverland fossem segredo, para que as crianças que visitassem não soubessem antes do tempo, tudo que elas encontrariam lá, para que houvesse a alegria da surpresa. Ele sabia como iria deleitá-los e fazê-los sentir".
"Mas a magia para Michael se foi. Michael amava magia; ele pediu por elas em pinturas. Ele via o mundo dessa forma e ele deliberadamente olhou através dos olhos mágicos de uma criança, porque ele a preferia . É verdade que ele sentiu a perda da infância, mas mais do que isso, Michael gostava de ver o mundo através do novo, não-doutrinado e olhos frescos, por isso ele a escolheu. Vendo com os olhos através das lentes da inocência permitiu que sua criatividade fluísse livremente e ferozmente como um rio. Quando as acusações vieram, especialmente a última, seu rio de criatividade foi represado e secou.”
A mídia, num frenesi, usou Jackson para vender seus produtos, as manchetes dos tabloides, as fotos roubadas e não lisonjeiras. Ele passou a usar uma máscara para desencorajá-los. Fortunas foram feitas em histórias de ficção e biografias não autorizadas por pessoas que nunca o conheceram ou conheciam apenas a margem de sua órbita.

O mais altos caluniadores de Jackson são frequentemente os mais culpados do uso de Jackson e montar a histeria em torno dele para lançar e sustentar carreiras "reportagem" sobre a vida de Michael Jackson. Essas mesmas pessoas sabem que sensacionalismo vende e conscientemente contribuíram para isso. Eles ainda o perseguem mesmo na morte, repisando os crimes sempre na frente de uma câmera e afirmando sua culpa até hoje, apesar de uma montanha de evidências em contrário e um veredicto de inocência (14 contagens). Eles não podem se permitir serem expostos por suas intimidações, portanto teimosamente ocupam suas posições.

Eles o intimidaram pela cor de sua pele clareada pela doença Vitiligo; a paternidade de seus filhos apesar de adoções modernas e métodos de fertilização para casais incapazes de conceber; por suas cirurgias em uma cultura que venera a juventude e rejeita os “embalos do envelhecimento”. Bolsos profundos e uma agenda racista explicam muito porque Jackson nasceu e cresceu em uma cultura racista e se casou com mulheres brancas. O resto é explicado pelo ego que: vê as pessoas não como quem são, mas como que você está sendo.

“Alguns chamaram Neverland de um imã para criança", Nordahl me lembrou. "E foi realmente; isso foi deliberado. Mas Michael não teve a intenção que disseram que teve. Seu interesse não era prejudicar as crianças; Sua única intenção era apenas trazer alegria e magia para as crianças, eu o vi fazer isso por vinte anos. O próprio Michael tinha uma espécie de atração mágica, as crianças apenas seguiram-no. Fomos uma vez na Toys-R-Us, loja onde Michael estava comprando brinquedos para as crianças e eu virei para encontrar um mar de crianças nos seguindo. E Michael estava disfarçado. "


"As pessoas diziam que ele era um recluso, ele não era. Ele apenas sempre atraiu multidões. Havia algo sobre ele; Observar as pessoas se atirando sobre ele, era como assistir a uma onda colidindo à costa. Ele tinha a prática de sair com qualquer peça de roupa. rapidamente, porque as pessoas em torno dele, entravam em uma espécie de frenesi. Ele podia sair das roupas mais rápido do que qualquer um que já vi. "

Nordahl recorda também, a solidão que Michael sofreu.
"Antes e durante o julgamento, ele se sentiu abandonado. Ele estava sendo condenado no tribunal da opinião pública e ele estava preocupado em obter um julgamento justo. Ele se preocupava com o que aconteceria com seus filhos, se ele fosse para a prisão. Ele tinha problemas para dormir. Estávamos hospedados na casa de praia de um amigo, e eu disse-lhe que se ele não conseguisse dormir para descer e visitar-me. Ele estava preocupado que tivesse que me manter acordado, mas eu não me importava; eu sabia que ele estava solitário e preocupado. Passamos longas horas conversando e, por vezes, andamos na praia à espera do nascer do sol. Ele não conseguia dormir. Quando você tira de alguém a razão para viver, a razão para sua vida, o que resta? "

Eu quis saber se David Nordahl estava assistindo ao julgamento.

"Certamente, é difícil porque você sabe que eles tinham que fazer isso por Michael. Eu queria que o mundo pudesse conhecer o verdadeiro Michael. Michael sempre disse que, se você falou sobre o bem que você fez no mundo, você cancelou a beneficência do dom, então ele era muito reservado sobre seu trabalho humanitário. Ninguém nunca saberá o quanto ele fez por este mundo e para as crianças. O mundo nunca saberá o que perdeu, porque tiraram Michael de seu trabalho, trapacearam não apenas o seu futuro, mas trapacearam a todos nós. "

O artista David Nordahl vive e trabalha em Santa Fe, Novo Mexico, onde ele está atualmente se preparando para um show em Tucson, Arizona, na Galeria Settler West, em 19 de novembro de 2011 e em Las Vegas, em um hotel reservado, em abril.

Fonte: http://www.huffingtonpost.com/rev-barbara-kaufmann/michael-jackson-trial_b_1093206.html

Tradução Maíra /michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/search/label/Rev.%20Barbara%20%20Kaufmann

.......

Ver perfil do usuário

5 Re: Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Sab Abr 21, 2012 7:40 am



MICHAEL JACKSON, PANTEÍSTA.


Michael Jackson era um panteísta. Teologia que é o estudo da religião ou em sentido exato é um "discurso sobre Deus" comumente ensinada em uma escola de divindade ou seminários.

Ela deriva da teologia grega, que é theo (Deus) e logia (logos, palavra ou a história oral e da tradição.) Filósofos, gregos como Platão e Aristóteles pensavam na teologia como discurso sobre deus, as coisas, e a natureza metafísica do divino.

Eu estou pensando que a maioria dos pensamentos de Michael Jackson são panteístas no seu coração.
Se você já leu "Dancing the Dream" elas ressoam, Michael e sua paixão pela natureza, animais, a paisagem, o planeta e as pessoas. Se você tem essa consciência de vida do planeta, você é um panteísta!.

"Earth Song" é um hino panteísta. Vocais crescentes de Michael são inspirados em estabelecer uma "vibração" expansiva que engloba a natureza, o planeta e todos os seres sensíveis. E pergunta: "E nós? ' no espírito da interligação de toda a vida, o que o Chefe Seattle e pessoas como John Muir e Aldo Leopold chamam de "a rede, (todos nós)"

Chefe Seattle , disse: "o que fazemos para a rede ou teia que somos todos, fazemos a nós mesmos." Ele falou da terra, o búfalo, tirando apenas o que você precisa e retribuindo com gratidão e reverência aos recursos que a natureza lhe fornece
Michael disse as mesmas coisas em "Earth Song". Ele sabia que, quando destruir a rede a teia, nós destruímos a nós mesmos. Quando matamos as florestas que são consideradas os pulmões do planeta, nós matamos a nós mesmos. Para se ter a vida, deve haver nossa respiração. Michael reverenciava a beleza da natureza, e de toda a vida.

Ele identificou-se com um único golfinho que morreu preso em uma rede e pode sentir a presença de um golfinho no mar. Seu panteísmo esta na sua poesia e em suas letras. Ele amava todas as pessoas de todas as origens étnicas e culturais.
Em "This Is It", ele fala sobre a beleza do planeta que é de tirar o fôlego e inspirou o elenco do show, pedindo-lhes para ajudar a "colocar de volta um pouco de magia para o mundo" e para falar sobre a oportunidade e pouco de tempo disponível para salvarmos o planeta de danos irreversíveis onde a destruição do homem e a violação do planeta torna-se não apenas possível, mas certa. Ele encorajou a administração dizendo: "cabe a nós ou que nunca será feito." É a mesma coisa os Anciãos Hopi (povo indígena nativo da América do Norte) vêm dizendo o tempo todo sobre a profecia para a humanidade neste planeta, a filosofia de: "nós somos o que temos e estamos esperando. "

Como você sabe se você é um panteísta?

Quando você olha para o céu ou para as imagens do Telescópio Espacial Hubble, onde está cheio de sentimentos admiração com a beleza esmagadora e do poder do universo?

Quando você está no meio da natureza, em uma floresta, à beira-mar, no pico de uma montanha - você já sentiu um sentido do sagrado, como a sensação de estar em uma vasta catedral?

Você acredita que os seres humanos devem ser uma parte da Natureza, em vez de conjunto acima dela?
Você ama os animais e acredita que eles têm direitos?
Você aceita que você é responsável por seus animais de estimação, mas para com todos os animais,?
Você é vegetariano ou preocupado com uma alimentação ética?



Você é cético sobre uma divindade masculina ou um deus que se senta em um trono em um lugar vago chamado céu e que empurra botões e puxa alavancas para controlar
coisas na terra?

Você vê o mundo e a vida tão vibrante, uma vida luminosa?

Você prefere acreditar que "Deus" é uma Presença que está varrendo na natureza e se estende muito além de uma localização ou definição ?

No entanto, você sente uma necessidade emocional de um reconhecimento de algo além, de uma entidade humana e ego e é maior do que seu próprio eu ou do que a raça humana?

Se você puder responder sim à maioria destas perguntas, então é provavelmente em sua natureza você é Panteísta ou é pelo menos parte de como você define a sua filosofia espiritual ou crenças.
No coração do panteísmo a reverência do universo é o foco principal . O natural da terra como algo sagrado. Panteísmo Científico (Carl Sagan) ou Panteísmo Natural (Rachael Carson) tem uma abordagem naturalista que simplesmente aceita e venera o universo e a natureza como elas são, e promove uma ética de respeito pelos direitos humanos, animal e para a sustentabilidade do estilo de vida que cultivamos, educar e proteger, em vez de destruir o meio ambiente.
Quando panteístas científicos dizem Nós reverenciamos O universo que nós não estamos falando de um ser sobrenatural e polarizado ou singular, estamos dizendo que a prática temor e vivenciar o sagrado de tudo o que é a vida
Nós respeitamos e abraçamos os nossos sentidos e emoções, a força esmagadora de um mistério e poder que nos rodeia.

Escrito por Rev. B. Kaufmann

Fonte: http://www.innermichael.com/2012/02/a-pantheist/

Tradução: Malumichael / http://www.michael-iloveyoumore.blogspot.com.br/

....................

Ver perfil do usuário

6 Re: Rev. Bárbara Kaufmann sobre Michael em Seg Maio 07, 2012 9:19 pm




FÃS DE MICHAEL JACKSON

Por Bárbara Kaufmann

Uma grande e séria relação amorosa de Michael Jackson foi com seus fãs
Uma troca comum entre Michael e uma fã era:

“Eu te amo Michael.”
“Eu te amo mais.”

Ele não estava brincando. Ele quis dizer isso. Literalmente. Muitos artistas professam amar seus fãs, mas não sairão de seu caminho para serem atenciosos ou enxergá-los, seguramente, como uma força ou uma base cultural para mudar o mundo.
Muitos roqueiros têm sido conhecidos por aproveitarem-se da vulnerabilidade fãs do sexo feminino. Michael teve a oportunidade de fazer exatamente isso, mas sempre foi contido e respeitoso, com seus fãs, principalmente as mulheres.
Michael pareceu sentir não somente o seu amor, mas a sua dor em não poder expressar esses sentimentos com a proximidade física. Esses sentimentos não eram correspondidos.
Mas, Michael parecia compreender que não poderia permitir os objetivos dos adolescentes, paixões e o primeiro amor, são extremamente dolorosos.
Ele foi sábio e capaz de senti-los. Michael frequentemente dissolvia-se em lágrimas no palco após ou durante um encontro com uma fã.

Um requintado homem solitário. Michael admitiu sua dor da separação, descreveu essa solidão a muitos que o conheciam.
Ele era uma das pessoas mais visíveis no mundo e ainda assim um dos mais solitários.
Imagine estando em um quanto de hotel em praticamente qualquer cidade do mundo com fervorosos fãs acampados do lado de fora de seus aposentos e não poder vê-los, acessá-los, conversar com eles ou ter qualquer interação significativa. Imagine tudo que se ama vindo em sua direção e não poder estar perto pessoalmente, fisicamente íntimo ou com a satisfação sexual.
Michael chamou a si mesmo um “cavalheiro” quando ele veio às mulheres e na típica história dos “Roqueiros” é evidente a exploração de fãs em suas carências.

Michael, frequentemente, escrevia várias cópias de notas a seus fãs, enquanto estava em seu quarto de hotel e esgueirava-se para o andar térreo para vislumbrar seus fãs que estavam silenciosamente acampados perto e em torno do hotel só para estarem pertos dele e de sua energia. Ou ele escrevia-lhes notas que proclamavam que ele podia “sentir seu amor através das paredes” e agradecia-lhes, abundantemente, por seu amor e lealdade. É conhecido, ele mesmo entregando-os, se fosse seguro e em outras vezes, a sua segurança entregava-os aos fãs.

Você já ouviu falar de uma estrela do rock que tenha feito isso? Michael costumava dirigir sua equipe de funcionários para comprar e entregar cobertores e travesseiros para os fãs que o estavam acompanhando no frio durante a noite.
Em seus shows nos anos 80 e 90, Michael permitia aos seguranças trazerem uma fã ao palco para ficar e dançar com ele enquanto cantava uma balada, frequentemente, “She’s Out of My Life”. Ele fez isso consistentemente, apesar de confessar que algumas vezes se assustou com os fãs, porque às vezes, eles tendem a esquecer de costumes e convenções em seu estado frenético e podem puxar o cabelo e causar lesão corporal. O que é notável é o que aconteceu a cada um desses fãs que foram ao palco para tocá-lo. Enrolavam seus braços ao redor dele e não querendo largar, vocalizavam seu amor por ele como “Eu te amo, Michael”, óbvio com a leitura labial.
Muitas vezes, choravam incontrolavelmente. Às vezes, eles desmaiavam. Uma fã desmaiou enquanto estava com ele no palco e Michael gentilmente levantou-a, carregando-a cruzando o palco para um segurança, enquanto continuava a cantar. Todas às vezes, sem falta, Michael abraçaria genuinamente e ternamente suas fãs, embalando a parte traseira de sua cabeça em suas mãos. Quem faz isso? Apenas um homem que compreende as mulheres e sabe que o amor se sente realizado de forma segura e acalentado com um simples gesto.
Muitas vezes mostrava seu cavalheirismo curvando-se diante do objeto feminino de sua atenção.
Michael amava. Ele amava ternamente. Ele amava intensamente. Estava em sua linguagem corporal. E único objetivo constante de sua adoração eram seus fãs.
Em seu julgamento de 2005, ele saltou para o teto do seu carro para acenar aos fãs, tendo seu cinegrafista para capturar suas presenças e apoio em um momento tão difícil em sua vida. Michael teve sua equipe filmando tudo. Ele foi fortemente criticado por esse gesto. A mídia categorizou como uma atmosfera de circo, o juiz não apreciou e para aqueles que não sabiam o que os fãs de Michael significavam para ele, o enxergaram como desrespeitoso ao processo e como indiferente e arrogante.
Esse gesto foi para agradecer aos fãs, reconhece-los e para assegurar-se de que, apesar das circunstâncias, ainda era amado e que os fãs não o tinham abandonado.
O gesto de Michael foi espontâneo e típico de Michael. Ele nem pensou como ele poderia ser interpretado pelo publico cínico e frenesi da mídia que cercou de tal maneira o julgamento.
Em cada País que visitou, Michael pode saltar nos tetos de veículos para evitar o esmagamento da correria de fãs estimulados ou para dar-lhes um olhar melhor. Mas o publico não teve maneira de saber disso. O único e constante apoio a Michael durante os cinco meses de provação eram de seus fãs e familiares.
A ausência de celebridades ou amigos reunindo-se para apoiá-lo foi chocante.
Michael necessitava de seus fãs e sentir seu amor, a fim de suportar os incessantes ataques legais e pessoais sobre seu caráter, durante os exaustivos cinco meses desse julgamento.
Ele precisava de suas energias para sustenta-lo a suportar a enxurrada diária de insultos e ataques sobre sua personalidade e caráter. Fãs estiveram com ele durante o julgamento. Fâs e familiares.

Eu não conhecia sobre os fãs de Michael Jackson até que sua morte. Eu supunha que ele tinha fãs, mas realmente não os conhecia até que comecei a pesquisar sobre Michael e sua vida. Os fãs de Michael estão por todo o mundo na casa dos milhões. Seu álbum Thriller vendeu mais de cem milhões de copias.

Como qualquer outra celebridade, os fãs de Michael são firmes e leais, mas, há um elemento que vai além da manifestação mundana de fã clubes de outros artistas. O intercâmbio entre Michael e seus fãs é bem... de outro mundo. Há um tom circundante nos fãs de Michael que é difícil descrever. É como se cada um deles o conhece-se pessoalmente, defendem sua reputação e honra em toda e qualquer ofensa ou agressão e eles são pessoas afáveis e amorosas. Comecei a ler suas postagens como comecei a pesquisar após sua morte e tornou-se rapidamente evidente que todos eles o amam e acreditam implicitamente nele e em seu caráter, através de tudo o que atormentou esse homem ao longo se sua vida.
Eles têm os fatos, eles têm as evidências para apoiá-lo totalmente. Porque acompanham tudo sobre Michael, eles têm um contexto e uma história que os outros não estão a par.
Michael Jackson foi e ainda é amado. Amor incondicional? Certamente. Contudo, ele foi e é amado no sentido espiritual da palavra. E não foi não correspondido.

O fã de Michael tem seguido todos os eventos de sua vida, conhecem cada turno da carreira, conhecem todos os álbuns e letras das músicas, ele tem seguido as reportagens da impressa sobre o astro, sabem de todos os dados.
Mas, algo mais define os fãs de Michael, e eu estou em perda para transmitir em quaisquer termos compreensíveis. Há uma comunicação incomum quase irreal, entre seus fãs e sua relação com eles era bastante incomum. É difícil de descrever e mais ainda de entender. Porém, havia um elemento de reconhecimento - uma força de amor ou energia, uma troca energética entre Michael e seus fãs que transcende as normas. Não poderia ser visto a olho nu, mas estava lá. É como se sentir um ao outro. O que quer que seja ou era, é um novo tipo de linguagem que o resto de nós não fala.

Durante o julgamento em 2005 e em outras ocasiões, fãs de Michael foram descritos como fanáticos ou de alguma forma irracionais. Muitas vezes eles foram descritos como sendo um pouco ou muito lunáticos, mas, isso não é simplesmente o caso. Eles também foram considerados cegos por serem tão apaixonados pela estrela que perderam todo o senso de decoro ou a razão quando se tratava qualquer coisa de Michael. Mas isso também não é simplesmente o caso. Fãs de MJ, como eles se intitulam, conhecem o homem. Eles têm uma espécie de vantagem sobre o resto da sociedade na compreensão do que os não fãs e críticos viam nas “excentricidades”, explicações simples e plausíveis. Para eles, Michael estava simplesmente sendo Michael. Porque eles conhecem a historia e tem o contexto mais amplo de quem Michael Jackson era. Eles têm uma linha mental de tempo de quem Michael era e o que ele fez e não houve uma compreensão mais profunda do publico em geral. Eles não dispensam ou ignoram seu comportamento, porque não é necessário. Eles entenderam que Michael era diferente e aceitaram isso totalmente e veem como uma grande razão para ama-lo ainda mais. Este conhecimento histórico e essa ordem cronológica fazem a diferença, elas colocam os eventos em um contexto indisponível para maioria.

“Os verdadeiros fãs de MJ” que é uma classificação, falam a uma só voz sobre seu caráter e suas interações com as pessoas e principalmente com as crianças. Eles nivelam uma linguagem comum. Uma das coisas que se destaca ao ler comentários de seus fãs é a familiaridade de todos com os que eles chamam de “odiosos de MJ”. Existe algo inquietante e perturbador sobre as práticas destes assim chamados “odiosos de MJ”. Eles aparecem em blogs e postagens depreciativas sobre ele, sua aparência e seu caráter. Eles parecem ser principalmente do sexo masculino, na maioria cristãos conservadores pela linguagem e pontos de vista de suas postagens, e eles tem muito descritivas e explicitas coisas condenatórias sobre seu interesse por criança. Eles distorceram-no em uma pesada caricatura, escura sombra humana. Eles não parecem estar conscientes que Michael Jackson foi absolvido de todas as acusações em seu julgamento amplamente divulgado. “Não culpado” não faz bem para a forragem dos tabloides ou economia e a imprensa ordenhou a fim de vender cópias de publicidade, portanto é imaginável que esses homens não entenderam que o julgamento foi favorável a Michael.
Mas a particularidade e especificidade de suas linguagens são especialmente perturbadoras. Isso é violento.

Alguém tem que perguntar por que esses “odiosos MJ” como são chamados, se preocupam em monitorar as áreas de fãs de Michael Jackson e tomam a oportunidade para vomitarem uma vil sensação fermentada de acusação e condenação em direção a um homem há muito tempo considerado inocente.
Não é incomum ver postagens duplicadas em vários sites usando o mesmo nome e obviamente o mesmo autor. Essas postagens cheiram a estimulação sexual, indo a um desonesto machismo e um paralelo fio da violência. É, obviamente, projetado para incitar alguém, mas quem? Parece auto erótico. Isso faz obter uma reação. Estes comentários são frequentemente seguidos por um “fã verdadeiro de Michael” comentando, subsequentemente, para refutar o “inimigo”.
Aparentemente, os fãs têm experiências com esse tipo de espancamento. É igualmente aparente que nenhuma quantidade de intervenção efetiva convencerá o ignorante. Há algo realmente perturbador sobre a natureza dessas entradas e quão poderosas são.

A teoria freudiana supõe que os "odiosos" são a si próprios, latentes homossexuais que projetam o ódio de si mesmos e sua enrustida confusão de identidade sexual em cima de um alvo representativo, isto é, Michael Jackson.

Jung (psicanalista) provavelmente diria que eles estão exibindo sua própria impotência com uma demonstração de ciúme distorcido na direção de um homem bem conhecido e criticado de ausência de machismo, androgenia e sexualidade incorporados, que despertou o paradoxo sexual e maternal nos sentimentos femininos. Isso também é evidente nos comentários de fãs do sexo feminino sobre o corpo de Michael. Isso sempre foi verdadeiro; o despertar sexual em jovens mulheres, frequentemente, encontrava um seguro e inacessível objetivo. E elas desmaiavam. Era também verdadeiro para os fãs de Elvis no seu tempo e Frank Sinatra antes dele. A gritaria dos fãs dos Beatles ilustra o mesmo fenômeno.

Michael era amado em todos os lugares do mundo, não importava aonde ele ia, havia multidões de fãs que amavam Michael. A ironia e paradoxo que atordoa é o conhecimento que ele não podia sair em público e interagir com aqueles que o amavam porque não seria seguro. Embora seja comovente ser alvo de tanto amor e adoração, a fama teve um custo enorme. Nenhuma privacidade. Nenhum amigo que o conhecia apenas como Michael e não na qualidade de Michael Jackson a mega estrela.
Como qualquer figura pública e especialmente uma celebridade, Michael atraiu fãs que podem atender a definição de “loucos”, porém, não são muitos. Tenho me correspondido com fãs de Michael do mundo todo e descobri que eles são atenciosos, dedicados à justiça, são generosos, filantrópicos e altamente inteligentes. Eles variam entre crianças e doutorandos, e quase todos que tenho interagido, têm ministração de Michael e a mensagem dentro da mente - mudar o mundo e torná-lo um lugar melhor, amar mais. E posso lhes dizer por experiência pessoal, eles fazem.
Fãs de Michael Jackson viram em Michael uma luz. Uma luz, um amor e uma bondade que era um manto que circundava a essência de Michael. Ele brilhou e seu amor era cintilante. Fãs sabiam, porque podiam senti-lo. Era tão real e palpável. E é por causa de Michael que eles estão empenhados em tornar o mundo um lugar melhor. Michael foi o mensageiro. Seus fãs são agora a mensagem.
Assista. Ouça. Aprenda. Conheça uma força que tem meios para mudar o mundo.

Fonte: http://www.innermichael.com/2009/12/michael-jackson-fans/

Tradução: Malumichael e Maíra / http://michael-iloveyoumore.blogspot.com.br

.....................

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum